Sunday, March 05, 2006

Madame Bovary

Terminei de ler o livro sentindo uma grande pena de todos aqueles personagens, sem excessão. Um imenso dó de todos eles, por todas aquelas situações trágicas e embaraçosas, aquelas vidas achatadas pela mediocridade, pela repetição, pelo tédio ...Avancei para as últimas páginas com o coração vindo à boca e o aperto maior foi pelo pobre Carlos, que se despedaçou aos poucos até sucumbir diante da morte - morreu de tristeza, o coitado. Mas também foi angustiante toda a situação que precedeu o suicídio, e a Ema, pedecendo as dores do envenenamento, também acabou sendo dígna de profunda pena. Enfim, senti pena dela, do Carlos, da velha e sisuda mãe do Carlos, do Sr. Rouault, do cego maltrapilho, do Justino; até do farmacêutico eu tive pena, e olha que ele nem precisou de um final infeliz, muito pelo contrário.

Vi algumas muitas semelhanças entre esse romance e o Ana Karenina, do Tolstói. Porém, a diferença, a grande diferença é que neste último foi possível perceber um sol, ainda que tímido, brilhando na virada da última página. Já no livro do Flaubert...

1 comment:

concy maduro said...

agora sem te ver...pela tua voz no telefone sei que você está controlando uma emoção,querendo bancar o homem seguro de si...e fico desesperada que mesmo assim você consegue fingir solidez e eu... ao ouvir tua voz ,o mundo se acalma...tuda estava rodando e se acalma e tua voz vem calma no telefone,fico toda menina,toda protegida,a tua voz vem do mundo dos altos,dos fortes e eu mesmo sabendo dos perigos que esta paz me oferece,me arrumei toda para vir aqui ver você...penteei os cabelos negros que você ama ,me pintei e então...tudo que se movia na casa se acalmou,pego um táxi e penso:Tenho um homem,e salto na rua mexem comigo e penso:"chamo meu homem .Ele te bate!Desde de menina você já existia como uma nuvem no ar e subo as escadas confusa e entro em tua casa louca para procurar vestígios das outras mulheres que te frequentam...e sei que você vai me receber sólido e filho da puta e aos poucos vai me provar que você é o porto seguro e eu a galera enloquecida,que sou a porra -louca e você a maravilha,eu sei ,canalha mas suportarei a humilhação para poder ver teus olhos e pensar:"Meu homem,meu homem,meu homem perdido e sempre eternamente meu homem"(Arnaldo Jabor)